quinta-feira, 12 de março de 2009

Rosa

Angustiada, triste e desamparada,os meus cabelos voam como corvos livres numa tarde em que meus lábios não se abrirão para sorrir.
Sinto-me longe da vida, tão perto do desespero de saber porque me sinto assim.
Sentada olhando o infinito, só os ouço esvoaçar e rir de se sentirem livres da minha malfadada vida.
Estou sem a luminosidade de outrora, em que as minhas pétalas inundavam estes campos de um perfume inigualável e por isso choro.
O frio impera e vida pouca resta.
De momento apenas posso esperar,como rosa sem raiz que sou e lembrar-me de como eu era feliz neste extenso roseiral.
Aguardarei , como rosa guerreira, que minhas raízes regressem e que fique forte e viçosa de novo para replantar este campo que o Homem destruiu.
Porque mesmo magoada e arrancada, rosa coragem sempre serei.



Ilustrações de Nicoletta Ceccoli
( escrito por mim)
Enviar um comentário