quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Pela janela do meu quarto


Estou com fome de ti,
te vejo da minha janela.
Abanas-te ao vento ali,
convencida que és bela.


Tua cor me põe louca,
a sensação do tocar.
A distância é tão pouca,
e não te posso agarrar.


Teu perfume intenso,
me faz água na boca.
Todo os dias eu penso,
trazer-te à minha toca.


Quero te cheirar perto
sentir a tua pele fina,
morder-te e sentir-me liberto,
desta enorme adrenalina.


Como pude eu pensar em tal,
nunca me vou perdoar.
Vi-te nascer e criar,
mesmo dentro do meu quintal.






(escrito por mim)
Enviar um comentário