quarta-feira, 29 de abril de 2009

Soldado




Nessas mãos guardas mágoas,

fechas tréguas com o mundo.

Levas compactadas outras vidas,

perdes a tua num segundo.


Em máscara de ferro te protegias,

dor infinita no teu coração.

Saltavas sulcos que não conhecias,

amanhecias na tua vida de aflição.


Homem poderoso, homem de ferro,

que tanto querias mostrar à sociedade.

Estás agora a caminho do teu enterro

e todos te olham com piedade.


Lutaste na guerra e na paz,

por todos os que amavas e querias.

És agora uma lembrança fugaz,

daquele tempo que ainda sorrias.


Faz justiça a tua mortalha,

que mostra tão imponente ser.

Junto a ti caras duras de batalha,

choram sem se deixarem abater.


(escrito por mim)
Enviar um comentário